Engenharia Civil: mercado de trabalho, salários e dicas

A procura por engenheiros aquece o mercado para esses profissionais.



A engenharia civil é um curso voltado para pessoas que gostam de trabalhar com números e cálculos, que gosta de acompanhar novidades tecnológicas e novas materiais, que gosta de emitir ideias e de discutir a funcionalidade e as estratégias necessárias para que uma obra seja executada de forma eficiente e sem sustos.


As áreas de atuação são extensas e dependem da matriz que você irá cursar no seu curso, mas em geral você poderá atuar em:

Geotecnia, Fundações, Construção Civil, Construção Urbana, Industrial, Empresarial e Rural, Gestão Ambiental, Cálculo estrutural, Infraestrutura e Transporte, Gerência de recursos prediais, Saneamento, Hidráulica e Recursos Hídricos, Perícia e Vistorias, Ergonomia e segurança do Trabalho, Georreferenciamento rural e topografia, Materiais de Construção.


A engenharia civil é um curso bem amplo e dentre as engenharias existentes é a que tem o maior leque de assinaturas dentro do Crea.


Um engenheiro civil é o responsável por gerenciar todo o projeto da construção de obras das mais diversas situações como: casas, prédios, estradas, pontes, viadutos, barragens, parques, museus, portos, aeroportos, dentre outros. Ele é quem faz a gerencia desde o momento da ideia do projeto até o momento de finalização e entrega da obra ao cliente final.

É esse engenheiro que cuida da parte da documentação (ou orienta corretamente o proprietário), cuida da parte de análise do solo, a ventilação do local, a tubulação, a etapa estrutural, as instalações hidros sanitárias, elétricas e telefônicas e deve ser ele quem escolhe os materiais adequados, quem contrata os profissionais que devem trabalhar na obra e que deve verificar se as Nr`s estão sendo seguidas e cumpridas.


O engenheiro civil hoje no Brasil tem um mercado de trabalho amplo, pois pode atuar em empresas privadas, públicas, terceirizadas e pode fazer a sua própria empresa prestando um serviço de consultoria, além de poder ministrar aulas em cursos de graduação e pós-graduação se tornando um docente da área.


Hoje, o CONFEA determina que o salário mínimo para que um engenheiro atue trabalhando por 40 horas semanais ou oito horas diárias seria de 8,5 salários mínimos, ou seja, pela orientação do conselho federal nenhum engenheiro deveria ganhar menos que isso e existem tabelas que auxiliam o engenheiro na elaboração de orçamentos de obras a que eles foram convidados.

Temos ainda que para egressos dos cursos de engenharia o salário pago no mercado de trabalho é bem superior à média das outras profissões. Existem pesquisas que mostram que hoje um recém-formado recebe algo em torno de 4 mil reais e após alguns anos de atuação e de experiência chegar a ganhar salários e honorários que alcançam a casa dos 5 dígitos.



O órgão que representa a classe dos engenheiros no Brasil é o CONFEA (Conselho Federal de Engenharia e Agronomia) e regionalmente os engenheiros são representados pelo CREA (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia).